Ilustríssimo senhor despresidente

 

despresidente

 

Francamente senhor despresidente o senhor está é tirando com a cara da gente ainda tentando posar de inocente ora francamente senhor despresidente pensou que iria escapar livremente conspirou e traiu tanta gente e essa gente quando sente o que vem pela frente senhor despresidente costuma ser exigente vendem até um parente de preferência influente se for eloquente é moeda corrente entre os gabinetes efervescentes senhor despresidente francamente se for mesmo vigente o que sopram os ventos uivantes supostamente seria o senhor comandante dessa nau deprimente a deriva contra a corrente de estrago sem precedentes nessa democracia recente rebelde adolescente que a muitos já fez descrentes e que em outros anônimos insistentes faz brotar o desejo pungente de fazer verdadeiramente o que tem que ser feito urgente e que não fizeram num passado recente nem se pretende fazer no presente num grito lancinante encarecidamente senhor despresidente atenda o desejo latente devolva-nos o céu da pátria nesse instante seja uma vez consciente senhor despresidente olha que a história se ajusta com juro corrente melhor não deixar essa mora pendente agora enquanto é tempo senhor despresidente silenciosamente pela fresta da porta da frente à noite caso não seja valente suma subitamente senhor despresidente é um favor que lhe peço insistente já tanta gente doente sem um trabalho descente pedindo ajuda a parente morrendo sem motivo importante de tiro de fome de enchente francamente senhor despresidente o seu tempo morreu com o poente essa noite é de lua crescente o futuro dorme paciente sonha um tempo brilhante que nasce no leste outro dia outro dia…

gostou? compartilhe e curta!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Scroll to Top